Tag Archives: tristeza

vazio

5 mar

meu coração esfarelou
virou pó, esfarelou

como areia entre os dedos

levado ao vento
como poeira cósmica

Anúncios

É tanto espaço em saudades

17 set

Sinto-me cercada de teus dedos mesmo que de longe mas o que há de mim ou de nós no novo? O que talvez te faça lembrar  do que vivemos e construimos dentro de cada um e principalmente dentro do outro, talvez nada possa aguçar sua memória, pois aqui tudo tem um cheiro nostálgico que me traz ainda mais saudades.
Essa ausência de presença clara e constante nos meus dias, a falta de jeito na hora de dormir, o espaço que sobra na cama de solteira gela a minha alma. A constante distância tem me deixado em preto e branco, sem sorrisos fartos e uma falta de inquietação a essas mãos que te afagavam em meus seios, até a fumaça dos meus cigarros começa a perder perder o sentido ao deixar de invadir o espaço em tesões tão normais.
Continua a chover pelas janelas e não há você debaixo do edredom em um enlace de pés e pernas que me deixavam em paz. Uma imensidão em nostalgias e cheiros, carinhos, abraços que mudam o dia e me perco as lembranças do raio de sorriso que me faz mais uma vez uma falta imensa.

Dezembro, expectativas.

11 set

Algumas tantas saudades possam vir a ser desfrutadas e diminuídas após alguns meses em ausências tão normais…É tudo tão intenso e febril como na primeira transa, o coração dilacerando o peito, as mãos em suores frios e um espasmo de tesão percorrendo dos pés até a espinha. Sentirei-te firme ao pegar meus quadris, os lábios ruborizados em minha nuca, ombros, tatuagem, pele, pêlos. As unhas vermelhas a percorrer suas costas, corpo, glande, minha boca, a sua e nossos sexos. Já me sinto excitada. Uma química reconfortante em carinhos intensos, em olhos verdes ou castanhos, cabelos e corpos emaranhados que você sorrirá e achará tão lindo, tão pequena, em lábios, mordidas e sentirei-te ereto, como das outras vezes, continuará sendo intenso, sublime. Não esquece, por favor, te amo.

Os “homens da segurança”, tá….

11 jul

Passei a semana tentando dissertar a cerca do assunto, tentando compreender a que o Rio de Janeiro tem sucumbido a cada dia que amanhece, quão suficiente de João, Gabriela e tantos outros serão necessários para mudarmos, para deixarmos de aceitar essa imposição política de uma justiça ordinária, de leis não cumpridas e de policiais corruptos, de uma força do estado que prefere “educar” através do medo. Até quando…? Quem são esses “homens da segurança”, os que deveriam (ao menos em tese) defender a sociedade, estabelecer ordem, manter os cidadãos protegidos. Como são preparados estes mesmos homens que acabam cometendo tantos erros, tantas mortes em vão, quanto despreparo, quantas balas perdidas ou atiradas em vão contra cidadãos de bem serão necessárias a população se dar conta da impunidade do país como um todo e não um caso isolado apenas no Rio de Janeiro.  De que forma é exercido o treinamento e a inclusão desses “homens da segurança” novamente na sociedade, não como população civil, mas com o dever e integridade de protegê-la. Uma hierarquia falha, afinal, quem os prepara é de competência o suficiente para tal ação, como os ensina a cuidar da população, como remunera seus salários. Quantas falhas na comunicação devem existir, pois o emissor têm passado uma mensagem falha geradora de ruídos que são mal-interpretados e entendidos pelo receptor, por conseqüência gerando um feedback desastroso à sociedade.
Jornais anunciam o futuro repetido de ontem, de anos atrás e nada mudou, nada. No ímpeto momento dos acontecimentos, ficamos estarrecidos, apáticos, em choque com a crescente crueldade e absolvição dos culpados, mas quem eles são, bandidos, homens da lei ou as próprias leis falhas que deixam todos eles na impunidade. Sempre que há um assassinato a sociedade sofre, engasga e quer cuspir o que acha, mas e as mudanças? E o esquecimento do que já passou, de outros protestos, de outras crianças e jovens, mortes por outras balas perdidas e outras não tão perdidas, por tiros a queima roupa, por bandidos ou pelos próprios pais. Muitas vezes minha visão é que no nosso país a maior parte da população necessita que a mídia esteja explorando o assunto para que algo seja cobrado aos governantes, o caso Isabella parece ter sido deixado de lado, assim como a Gabriela foi para o esquecimento, e infelizmente a dor só é partilhada na família e onde entramos nós, a população que clama por justiça ou pelo menos por um país menos impune. Que o caso do João possa levar pessoas a debates, a uma vontade por mudança, a uma luta legítima por mudanças. Qual o motivo e mais uma vez, até quando…? Até quando os “homens da segurança” vão continuar corrompidos em espírito. De prontidão não a ordem, mas a extorsão, matar, mentir, omitir e ignorar toda uma sociedade. Pra variar eu pouco sintática, nunca sei a hora exata de terminar e encerrar o contexto, mas realmente foi uma semana pensando sobre o caso, me indagando até quando a população vai ficar com venda nos olhos, principalmente em ano de eleição…rs.