Tag Archives: tesão

em um só

20 dez

e de onde o escuro permanecia, os cheiros embalaram a sala cheia de fumaça, do nosso cigarro. a alma embalada na lentidão do jogo de pernas que eu fazia entre suas coxas e o apoio de suas mãos nas minhas costas.

o espaço todo em um único suspiro, um pulsar, um gozo, um espasmo em um entrelaçar que nos torna cúmplices, únicos no  mesmo canto do sofá e na nostalgia de todas as noites sem dormir em um outro apê de botafogo.

Anúncios

e começa 2009.

23 jan

Espero o entusiasmo, o tesão, as saudades, a inspiração que me escorre a nuca como os suores normais ao peso de nossos corpos juntos ao calor do verão. Tenho sido feita em saudades, esperas e sorrisos, até aqueles das manhãs mal humoradas, da cara emburrada, dos olhos com lágrimas e das conversas até o dia nascer. Recortes de momentos, palpitações e saudades de quem já voou há um tempo e de quem irá voar em menos de 2 horas.

Das poucas palavras aprendidas nos últimos dias, fica a mais importante: tu me manques, mon petit ami.

Tesão, fluir

13 nov

Ela pôde sentir novamente, mesmo que breve, o gosto do seu beijo a deslizar de seus lábios até a nuca, pescoço e ombros, sente o deslizar das alças da camiseta branca e mãos fartas a acariciar-lhe os seios.  Sente os lábios por toda parte a percorrer sua extensão e nessa hora o sente firme, latejante como a quem explora o mundo, o coração dilacera o peito.
A calcinha desliza ao lado e é tocada em pontos aleatórios, suas mãos preenchem o espaço vazio na calça jeans, ele desliza novamente por suas coxas e pode sentir todo o calor do corpo dela a transpirar e a deixa em pernas trêmulas, suas mãos inquietantes o trazem próximo, ele sobe o corpo e sente suas pernas à sua volta e se fazem em um, em harmonia absoluta de corpos, leves em transpirações, fumaças…mas acorda, só, feliz e só. Envolta em cheiros nostálgicos em uma lentidão de lençóis.

O silêncio…

5 nov

O silêncio, os lençóis em desordem e um quarto cheio de fumaças. Meu corpo gosta do repousar e das entregas, sentir seu corpo suado, quente, inérte em pós-orgasmos. Há a simplicidade em olhá-lo no canto da cama e deixar-me ser vista, sem pudores, sem fraquezas e em entregas completas nesse silêncio que transborda o quarto em tesão e que podemos nos tocar da mesma forma. Uma simplicidade almejada, o desejo do peso de seu corpo ao meu, constantemente, pois ao fechar os olhos é a você que eu vejo…

Sentidos

2 out

Chegou a fila do cinema e logo pôde sentir um frio sopro em sua nuca descoberta pelos curtos cachos que recaiam sobre seus olhos e teve a certeza de que seria ele que a pegaria pela cintura em um longo espasmo de tesão, e foi.
Sorriu grandiosamente em lábios fartos como a quem agradece aquela presença à ventania que corria pelo bairro de Botafogo.
Sossegaram por um instante, curto, no espaço de um beijo, compraram pipocas e puderam sentar, ao fundo, em mãos entrelaçadas nas fartas poltronas. À todo instante podia sentir-se inflar por cheiros tão naturais a ela e que já sentia saudades e sabia que as continuaria a sentir.
Ao subir dos créditos havia novamente a certeza de que seria ele que a embalaria em doces melodias naquela noite, sem importar-se com o gênero, a música seria contante em sussurros e gemidos.
Pôde sentir a pressão sobre a calça jeans e o deslizar de alças de sua roupa íntima e entregar-se sem espaços a quem a lançara em seu colo, segurando-a firmemente pelos quadris e retornando ao frio sopro sobre sua nuca.