“O amor é sexualmente transmissível”

9 dez

Mesmo após alguns meses continua a ser estranho a sensação de despedir-se sem abraços apertados, beijos e cheiros que nos envolviam recorrentemente.  Chega a ser áspero e doloroso não poder tocar-lhe as mãos, os lábios ou senti-lo num impulso constante. Espasmos frios percorrem os lençóis que anteriormente acordavam em lentidão de tesões normais, que inundavam nossos espaços em fagulhas de fumaças que transcorriam entre nossos corpos que dispíamos a cada entrega como se fosse a primeira vez, mesmo conhecendo cada detalhe, as pintas e os sinais marcados. “A grande desgraça é que as lembranças não bastam para confortar os amantes. Nunca se aplacam”, é bem no início do livro e já me sinto inerte na certeza que realmente elas apenas assolam meu coração nessa manhã de calor e percebo que falo dessa ausência cá em meio a meus braços e esse espaço vago em mim que cabiam anteriormente,  na medida certa, suas mãos.

Anúncios

4 Respostas to ““O amor é sexualmente transmissível””

  1. Anita 9 dezembro , 2008 às 11:50 pm #

    e qual é o livro?

  2. tatisgfernandes 11 dezembro , 2008 às 3:47 pm #

    Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios – Marçal Aquino

  3. anita 11 dezembro , 2008 às 7:13 pm #

    se o livro tem a mesma alma que seus texto deve ser muito, muito bom! 😉

    Leio e comento aqui!

  4. tatisgfernandes 12 dezembro , 2008 às 5:14 am #

    obrigada pelo elogio, o livro é excelente, quem dera eu tivesse a alma dele. tem blog?

    beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: